Tenha uma boa madrugada! Hoje é Sexta, dia 27 de Novembro de 2020. Agora são 02:47:34 hs

ATENÇÃO Aposentado na ativa: Foi notificado pelo TCU sobre a Emenda Constitucional 103/2019?

Com as novas regras o Estado deve retirar do trabalhador, no mínimo, R$ 800 bilhões do montante que, pelas regras anteriores, pagaria em aposentadorias, auxílios e pensões pelo INSS em dez anos, segundo a análise do próprio governo. No início do mandato, Bolsonaro fez de tudo para aprovar a Reforma da Previdência, demonstrando o descaso com a classe trabalhadora e deixando claro para quem governa: grandes empresários nacionais, estrangeiros e agropecuários.
Mesmo contribuindo regularmente com o INSS, o trabalhador brasileiro poderá não se aposentar e, ainda que aposente, não terá direito ao salário integral. Isso porque, com as novas regras, um homem precisa contribuir por 40 anos e ter 65 anos para poder receber a aposentadoria integralmente, ou seja, ele precisa começar a contribuir com 25 anos de forma ininterrupta. Cada mês não contribuído empurra a idade mais pra frente e, considerando o nível de desemprego e informalidade, quando não se contribui ao INSS, a tendência é morrer sem aposentar.

NESSE CENÁRIO, chegou ao nosso conhecimento que alguns aposentados receberam uma NOTIFICAÇÃO dos Correios a pedido do TCU, referente à Emenda Constitucional 103/2019, que trata da possibilidade de rescisão do contrato de trabalho após a aposentadoria, sob as novas regras da Previdência. Nesse sentido, o Sindicato enviou um Ofício à empresa solicitando a lista completa desses trabalhadores, que já receberam e os que ainda irão receber essa notificação.
Orientamos, assim, os aposentados que receberam a notificação, entrar em contato com o Sindicato PARA ATUALIZAR SEUS DADOS e enviar os seguintes documentos para melhor análise e orientação:
1. Notificação recebida pela Empresa;
2. Carta de concessão da aposentadoria;
3. Ficha cadastral atualizada.

Obs.: Para você, aposentado na ativa, solicitar a sua ficha cadastral, basta acessar o aplicativo 24 horas RH ou pelo Helpdesk, em caso de dificuldades no acesso.
Tão logo esteja com a Ficha Cadastral ao seu dispor, encaminhe pelo WhatsApp: (62)99255-1633 ou 99254-5973 e pelo e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .
Aposentado(a), filie-se ao Sindicato! Venha lutar conosco pela manutenção e avanço dos nossos direitos e por um Correio público e de qualidade! Não fique só! Fique sócio!

Diretoria Colegiada
SINTECT-GO

Leia mais ...

Aposentado, continue filiado ao Sindicato e garanta seus direitos!

A classe trabalhadora vive um momento de retrocessos e perda de direitos. No dia 22 de outubro de 2019, o Senado aprovou, em segundo turno, a reforma da Previdência Social, que tira direitos fundamentais de mais de 100 milhões de brasileiros, que estão no mercado de trabalho formal, informal ou já são aposentados e pensionistas.

Com as novas regras, o Estado deve retirar, no mínimo, R$ 800 bilhões do montante pago em aposentadorias, auxílios e pensões pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) em dez anos, segundo a análise do próprio governo. E isso pode inclusive prejudicar você, que já está aposentado(a).

Já no início do mandato, Bolsonaro fez de tudo para aprovar a Reforma da Previdência, demonstrando o descaso com a classe trabalhadora e deixando claro para quem governa: grandes empresários e agropecuários. Mesmo contribuindo regularmente com o INSS, o trabalhador brasileiro poderá não se aposentar e, ainda que aposente, não terá direito ao salário integral. Isso porque com as novas regras, um homem precisa contribuir por 40 anos e ter 65 anos para poder receber a aposentadoria integralmente, ou seja, ele precisa começar a contribuir com 25 anos de forma ininterrupta. Sabemos que a Reforma Trabalhista, de 2017, intensificou a precarização das relações de trabalho e poucos empregadores tem contratado empregados por meio da CLT. Além disso, empresas terceirizadas (de limpeza e vigilância, por exemplo) declararam falência e mudam de nome em pequenos intervalos de tempo, fazendo com que tenham uma alta rotatividade de funcionários. Que trabalhador da rede privada irá conseguir trabalhar 40 anos ininterruptos em um mesmo emprego? E quando esse trabalhador ficar desempregado, como irá contribuir com o INSS?

No dia 28 de janeiro de 2020, foi liberada, na edição extra do Diário Oficial da União, a contratação de militares de reserva (que já recebem de R$1.334,00 a R$9.135,00 mensalmente dependendo do posto assumido) para ajudar o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Segundo o Governo, a iniciativa visa reduzir filas do INSS. Contudo, em um país em que o número de desempregados chega a 12,4 milhões de pessoas (segundo dados do IBGE de 2019) a decisão só demonstra o desrespeito com a população. Nos últimos anos, quantas pessoas não fizeram concursos públicos e ainda esperam para serem convocados?

Neste sentido, é importantíssimo que você aposentado(a) continue filiado(a) ao Sindicato ou filie-se. Assim, você poderá participar de todas as lutas travadas pela categoria, principalmente contra os retrocessos na Previdência Social e pela manutenção de seus direitos, que têm sido duramente atacados neste governo. Um direito que corre grande risco de ser retirado a cada acordo coletivo é o Plano de Saúde tão importante para todos, especialmente para os que já se aposentaram, assim como é importante a previdência complementar do Postalis, que também exige da categoria constante vigilância para não ver o esforço de anos ser corroído por má administração, como já vimos acontecer. Quando o trabalhador(a) filiado(a) ao Sindicato aposenta ele continua sendo assistido pela Assessoria Jurídica da Instituição, que é das mais atuantes do país e tem conquistado e garantido diversos benefícios e direitos básicos aos trabalhadores de Goiás.

Uma demanda judicial pode levar anos para ser concluída. Com isso, ao longo do processo, alguns trabalhadores acabam se aposentando e para que continuem sendo assistidos pelo Sindicato e sua assessoria jurídica, bem como ficar ciente das informações, é necessário que ele continue filiado. No momento há diversas ações judiciais em andamento, como a execução do PCCS 95, execução da ação das Diárias, ação do reflexo do vale refeição de 86/89, ação do AADC acumulado com periculosidade, entre outras.

Além disso, o trabalhador(a) aposentado(a) filiado tem sua participação garantida nos processos eleitorais da Instituição, podendo votar e ser votado para compor a Diretoria Colegiada ou o Conselho Fiscal.

A participação de todos seja contribuindo mensalmente com a Instituição, comparecendo nas assembleias e atuando nas decisões da categoria é essencial para mantermos o sindicato. Sozinho, nenhum trabalhador conquista nada e ainda perde o que tem. Só a unidade nos permite sonhar com um futuro melhor, lutando hoje.

O interessado também poderá ser assistido através da nossa Central de Relacionamento, onde o mesmo pode atualizar seus dados cadastrais facilitando a comunicação e o mesmo possa obter todas as suas informações jurídicas, além disso poderá manter-se filiado à Instituição e acompanhar seu processo judicial passo a passo.


Aposentado(a), filie-se ao Sindicato! Venha lutar conosco pela manutenção do que conquistamos e por avanço no que precisamos como categoria e sociedade. Não fique só. Fique sócio!.

 

Leia mais ...

Trabalhadora é indenizada após adquirir lesões e ser aposentada por invalidez

A aposentada Laide Pereira Faustino Ribeiro recebeu indenização por dano moral da ECT após sofrer lesões na coluna cervical decorrente de trabalho e se aposentar por invalidez no ano de 2011.

Laide Pereira entrou nos Correios em 1977 na função de Auxiliar de Serviços Postais, mas logo foi reenquadrada na função de Atendente Comercial. Durante muito tempo a ecetista trabalhou sozinha na agência de Cristianópolis/GO, acumulando várias atividades. Em julho de 1995 ela tirou licença devido a uma tendinite. A unidade foi transformada em agência de Banco Postal em 2002, fazendo com que as atividades de Laide Pereira dobrassem, e, consequentemente, suas lesões agravassem. Ainda sim, a trabalhadora exerceu suas atividades até 2008, quando passou a recorrer ao auxilio doença do INSS. Em janeiro de 2011 ela foi aposentada por invalidez.

Segundo o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 18ª Região, as lesões da trabalhadora resultaram da “da intensa solicitação durante os movimentos repetitivos e contínuos, além do excesso de peso e inadequação do mobiliário”. Assim, os Correios foram condenados a pagar indenização por dano moral a trabalhadora.

Leia mais ...
Assinar este feed RSS