Tenha uma boa noite! Hoje é Domingo, dia 08 de Dezembro de 2019. Agora são 18:42:12 hs

ELEJA CANDIDATOS QUE IRÃO DEFENDER SEUS DIREITOS!

As eleições deste ano tem uma importân­cia histórica para a classe trabalhadora e para o povo. Os últimos momentos do cenário político, econômico e social deixam ainda mais claro o acirramento da luta de classes em curso e a ofensiva do capital.

De um lado: os políticos que representam os empresários e grandes latifundiários que que­rem a todo custo retirar direitos dos traba­lhadores, acabando com a CLT, com os in­vestimentos na saúde, educação, segurança, com a previdência Social, reduzindo o papel do Estado no desenvolvimento econômico e social do país e assim entregar o controle, de fato, para o mercado neoliberal.

Do outro lado: a classe trabalhadora que vem sendo atacada, perdendo direitos e sendo exposta às condições de flexibilização/precarização das relações de trabalho, desvalorização do valor da mão de obra, e sem os serviços públicos básicos e essenciais como saúde, educação e segurança, além da diminuição do papel social do estado – Reforma Trabalhista.

Neste cenário devemos nos conscientizar que o voto por si só não é suficiente para representar um instrumento de transformação social e nem de fortalecimento da democracia. Ele precisa estar em confluência com a consciência politica, possibilitando o cidadão perceber os interesses que estão em jogo, e como eles podem afetar sua vida. É fazendo o enfrentamento que o povo conseguirá reverter à situação caótica em que o Brasil se encontra. E é com essa consciência que a classe trabalhadora deverá votar nas eleições do dia 07 de outubro e fazer consolidar seu projeto escolhido.

Nestas eleições, é necessário que a classe tra­balhadora participe do debate e esteja atenta não só às propostas apresentadas por todos os candidatos, mas também o que está em jogo como pano de fundo. O povo precisa eleger candidatos que invistam na educação pública de qualidade, na saúde, na ampliação de programas sociais, na geração de empregos, na capacitação da mão de obra, na conquista da casa própria, na realização de con­cursos públicos, no respeito aos direitos trabalhistas, no fortalecimento das estatais, nas instituições públicas em combate a corrupção e, sobretudo, no dialogo com a so­ciedade e fortalecimento da democracia.

Contudo, não é só na hora de eleger o presidente que a classe trabalhadora precisa votar consciente, mas também na hora de eleger os governadores, os senadores, deputados estaduais e deputados fe­derais, e assim garantir que o projeto escolhido nas urnas seja de fato realizado com estabilidade democrática, pois são estes três últimos que propõe, de­batem e aprovam leis sobre diversos temas, inclu­sive os ligados diretamente à classe trabalhadora.

 

CONFIRA O JORNAL "ECETISTA NA LUTA" AQUI

 

 

Leia mais ...

Resistência e Luta em Tempos de “Crise”

Editorial

Depois que o país sofreu um golpe parlamentar, Temer iniciou seu desgoverno, foi se implementando uma política destrutiva ao Estado Brasileiro, passando necessariamente pelo desmonte da estrutura pública que temos, transformando o país em um verdadeiro “balcão de negócio”. E para que tal plano se tornasse viável, aprovou-se de inicio o congelamento dos investimentos no orçamento de itens fundamentais para o desenvolvimento do Brasil, como a educação, saúde, segurança, entre outros.

Com o discurso de tornar o país melhor e mais lucrativo para os detentores do capital financeiro, Temer, com o papinho de “modernizar” as relações trabalhistas, aprovou no Congresso o seu desmonte, que na prática reduz os custos que o empresariado tem com a contratação de mão de obra, retirando direitos históricos e ampliando os mecanismos de fragilização da organização dos sindicatos.

Com os arranjos políticos tipicamente brasileiros funcionando a todo vapor, de negociação e destruição de ministérios, Temer reloteou todo o chamado “segundo e Terceiro escalão”. Nossa Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos caiu no colo do PSD, do coronel Gilberto Kassab, que indicou como presidente dos Correios o senhor Guilherme Campos. Este senhor desde que assumiu a Presidência dos Correios tem prestado um completo desserviço a nossa Empresa. São cerca de 40 entrevistas concedidas à imprensa, e em nenhuma delas ele consegue fazer um único elogio à Instituição ou a qualquer um dos mais de 112 mil homens e mulheres que nela trabalham. Além disso, Guilherme Campos buscou todos os meios possíveis e imagináveis para nós impor as novas regras da Reforma Trabalhista, mesmo antes dela entrar em vigor, e usou o TST para tentar alterar nossa data base. Volta e meia, em suas entrevistas, cogita a privatização total ou parcial da Empresa, além de deixar claro que sem retirar direitos, a Empresa não se sustenta. Mas isso não é novo, afinal quem não se lembra do então presidente senhor Giovanni Queiroz, em fevereiro de 2016, alardeando que a ECT só tinha dinheiro para pagar os salários até setembro daquele ano.

Tais atitudes exigiram de nós Ecetistas muita luta e muita resistência ao longo de 2017. A falácia da crise, amplamente disseminada pelo presidente que é adepto daquela doutrina do “espalhe ao extremo uma mentira e ela virará verdade”, esteve presente o ano inteiro e foi necessário muita unidade e muita resistência para combatê-la. Até porque atrás dessa falácia de crise, reside o desejo do Governo de retirar nossos direitos conquistados há anos, como o Plano de Saúde, Tickets nas férias e durante as licenças médias por até 90 dias etc.

As três greves abraçadas pela categoria ao longo de 2017, principalmente a iniciada em setembro, inviabilizaram a retirada de direitos da categoria, ao menos por enquanto. Ao mesmo tempo, está na pauta de Temer e seus aliados (PSD, PSDB, PTB, PP, PPS, entre outros) o fim das nossas aposentadorias através da “Reforma da Previdência”, além da criação de mensalidade no Plano de Saúde da categoria, e assim precarizar ainda mais a Empresa, para que ela possa ser privatizada. Tais ataques evidenciam a necessidade de nós mantermos mobilizados e prontos para o enfrentamento, pois 2018 promete ser mais um ano que exigirá muita resistência e muita luta.

Regionalmente, tivemos um período complicado, uma gestão de um senhor que gastou muito mais tempo e energia combatendo o Sindicato do que realizando seu papel. Situação que ficou ainda mais clara no dia de sua queda, pois a categoria em peso comemorou soltando foguetes na Praça Cívica durante Assembleia.

Que em 2018 estejamos com o mesmo espírito de luta, mobilização e unidade, dispostos a enfrentar qualquer ataque que venha contra nossos direitos. Por isso, MUITA LUTA E MUITO MAIS RESISTÊNCIA SERÁ EXIGIDA DE TODOS NÓS, para que possamos manter e ampliar nossos direitos e ao mesmo tempo solidificarmos ainda mais os Correios como uma Empresa pública, confiável e que preste um serviço de excelência para a sociedade brasileira.FELIZ 2018

Elizeu Pereira, Secretário Geral

Leia o Ecetista na Luta de dezembro aqui

 

Leia mais ...
Assinar este feed RSS